quarta-feira, 25 de maio de 2011

Filme Cisne Negro

Assisti Cisne Negro e como todo filme ganhador de algum Oscar fico a analisar se os "media"(a mídia como se diz aqui em Portugal ) não estaria a exagerar, se era um filme tão fascinante, brilhante, excelente(olha os meus pré-julgamentos vindo à tona), como estavam a dizer os críticos. Decidi assistir e tirar minhas próprias conclusões.
Lá fui eu livre de julgamentos e me surpreendi em cada cena. Tinham razão.
Cisne Negro aborda em linhas gerais para não estragar o enredo, temas como perfeccionismo, baixa estima, vaidade, insegurança, medo, abuso sexual (entra aí uma análise psicológica e psiquiátrica profunda que deixo aos profissionais da Psicologia e Psiquiatria, não vou comentar aqui).
Não é um filme leve, porém nos faz refletir muito sobre quem é o nosso maior inimigo.
Como o perfeccionismo pode destruir uma vida brilhante, seja no seu lado profissional ou pessoal. Quando essa cobrança se inicia, na infância? na adolescência? na vida adulta? É possível alterar esse comportamento? Claro que sim!
Quantas vezes nos deparamos com um inimigo oculto em nossas vidas e que sabemos quem o está a criar somos nós. Quantas pessoas brilhantes, não acreditam em si, se sabotam continuamente e culpam o mundo por suas desditas, sem que percebam que precisam de ajuda, mas que dependerá apenas dela para o primeiro passo.
O filme deixa uma mensagem forte, profunda.
Não há ninguém quem possa impedir seu crescimento,"A única pessoa que está no seu caminho é você mesma"
Para não perder a graça não digo mais nada. Assistam!

4 comentários:

gremunhoz disse...

Elis, também fiquei fascinada com o filme. À época fiz um post no facebook, não sei se você chegou a pegar. Vale citar a relação mãe e filha, a tão batida, mas não esgostada, projeção que a mãe não-realizada faz sobre a filha bailarina, tentando se realizar nela e fazendo com que a filha pague um alto preço por isso. A figura paterna inexiste e a trama dá a letra: o pai era como o coreógrafo, um "pegador". Freud faria uma festa de interpretação! kkk ;)

Elis Dias disse...

Greice,
Obrigada pelo comentário. Não vi no FB seu post. Você percebeu abuso sexual da mãe com a filha quando ela pergunta, você está pronta para mim?
Sim, a relação mãe e filha, do tipo você tem que ser o que eu não fui... Puxa, não me liguei nessa do pai-pegador como o coreógrafo. Ótima sacada amiga, amei!
Freud amaria mesmo.

Mimizinha disse...

Adorei a dica.Ainda nao vi.Mas vou assistir.Obrigada amigas por
"partager" "share" "compartilhar".

Elis Dias disse...

Que bom que gostou, vale a pena mesmo assistir querida, depois diga o que achou.