quinta-feira, 30 de setembro de 2010

A LINGUAGEM NÃO-VERBAL E A ENTREVISTA DE EMPREGO


Quero falar sobre um assunto que venho recebendo sempre muitos pedidos de dicas: "Como se portar numa entrevista de emprego".

A entrevista de emprego é aquele momento que temos para mostrar nosso "melhor", "vender nosso peixe".
Depois de ter sido escolhido entre milhares de currículos, você conseguiu finalmente a oportunidade de mostrar seu melhor. Em minha experiência na área de recursos humanos e entrevistando inúmeros candidatos para os mais variados cargos, sei que os candidatos ficam nervosos, não conheço uma pessoa que passe por uma entrevista de emprego e não fique ansiosa. Portanto você é uma pessoa NORMAL. Ufa! Ainda bem.
A questão aqui é, o quanto se fica ansioso e o quanto se deixa transparecer e perder o controlo da situação. Como assim?
Sim alguns candidatos roem as unhas, balançam as pernas, mexem nos cabelos, olham o relógio incansavelmente, atitudes que demonstram ansiedade pura. Dá pra melhorar isso? Com certeza.
O corpo fala como já dizia o saudoso psicólogo e professor Pierre Weil autor do livro de mesmo nome " O Corpo Fala". Então todo mundo se pergunta, o que fazer então?
Penso que cabe ao entrevistador "quebrar o gelo" e deixar o candidato à vontade. Muitas vezes um comentário sobre o tempo, o clima mesmo(se está sol ou a chover), algo bem trivial, já faz com que a pessoa se sinta mais ambientada.
Actualmente muitos candidatos chegam para uma entrevista com gestos pouco naturais, como um aperto de mão que quase quebra seus dedos, digo pois aconteceu comigo. Outro candidato olhava tanto para os meus olhos e pude perceber que não estava sendo natural. Parei a entrevista imediatamente e lhe disse, seja espontâneo. Ele falou , li em revistas de gestão que tinha que olhar nos olhos do entrevistador, apertar sua mão com força para transmitir segurança, não mexer as pernas, etc... Eu o acalmei e disse sim desde que sejam movimentos naturais, nada forçado, por favor.
O que buscamos num profissional? Profissionalismo, não alguém que simule ser alguém que não é.
Há que se trabalhar a insegurança, a timidez e o auto-controlo.
Muitas vezes alguns candidatos fazem anedotas(piadinhas de extremo mau gosto, diga-se) fora de hora, tudo para forçar uma situação de simpatia. Desnecessário e perigoso. Muito cuidado!
Como posso mudar esta situação? Seja natural, seja você mesmo. Nunca vou cansar de dizer isso.
Treine em casa, na frente do espelho, com o marido, com a esposa, com a família, mãe, pai, namorado, estude seu currículo, pense nos seus objetivos, no que busca, por que gostaria de trabalhar naquela empresa? ouça o entrevistador. Veja se a empresa serve para você e não apenas o contrário. Sabemos que num momento de crise as opções são menores, mas crise é oportunidade. SEMPRE!
Ah! Um último item importante que queremos num candidato, é a Inteligência Emocional(IE). É um item cobiçado em qualquer profissional, mas este é um assunto para uma próxima postagem.



12 comentários:

Anônimo disse...

amei sua nova postagem... se colocar no lugar do candidato e escrever sobre isso, só vc mesma... adorei

Elis Dias disse...

Obrigada. Sim procuro sempre que me colocar no lugar do candidato, pois já estive do outro lado.

Glauce Desmarais disse...

Abordagem clara e direta, elucidativa. Demais o seu blog! Parabéns, pela iniciativa! Gde bj!!

Elis Dias disse...

Obrigada Glauce!

Andinho disse...

E da-lhe livros à lá Lair Ribeiro pra ficar espelhando as posições e até respirar na mesma frequência do entrevistador... Apertar mão forte e olhar no olho é dica que ele leu numa coluna d'o globo numa daquelas matérias repeditas mil vezes por ano. Gostei do texto Elis! Vou ler todos.

Elis Dias disse...

Pois é Andinho, sabe aquela coisa bem artificial. Ninguém é assim no dia a dia. Existe uma super massificação do que fazer, como se vestir, o que falar O pior é que a "massa" segue, sem nem questionar. Obrigada pelo carinho.

Anônimo disse...

Assunto que interessa a todos. Muito bom. Parabéns.

Elis Dias disse...

Obrigada!

Flávia Mello disse...

Elis como sempre maravilhosa! Os meus alunos precisam saber dessa matéria. A sua visão de mercado é muita humanizada e próxima da nossa realidade. Elis posso pedir para a próxima matéria uma entrevista com o senhor Marcus Ponce!Ele pode falar sobre a expectativa das empresas de petróleo e gás em relação aos candidatos?
Um grande abraço, da admiradora incansável dos seus trabalhos,
Flávia Mello.

Elis Dias disse...

Flávia, você é que é MARAVILHOSA, iluminou o blog. Pode divulgar para os alunos. Vou falar com o Senhor Marcus Ponce e ver se ele me concede a honra de entrevistá-lo. Obrigada por existir!

gremunhoz disse...

Nem ansioso, nem forçado. Ensaiado e ao mesmo tempo espontâneo. É mesmo um desafio! risos. Mas adorei a postagem. Me fez lembrar de algumas entrevistas inusitadas, como aquela em que o cara perguntou pra que time eu torcia, e quando disse que era Inter, ele sacou um tubo de AJAX, isso mesmo, AJAX e começou a gritar que eu havia sido contratada. Claro que o Grêmio estava disputando o mundial, né? kkk.

Elis Dias disse...

Greice, esta entrevista merece um aprofundamento, gostaria de saber mais. Olha que eu achava que já tinha ouvido de tudo, mas sacar um tubo de AJAX(para os que não conhecem, é um amoníaco usado para limpeza)foi uma novidade(risos). Percebemos com isso como tem selecionadores que nada entendem de pessoas.Obrigada pelo comentário.